“Crianças da mochila” dam voz a 300 pres@s basc@s na cadeia

Por Ana Macinheira /

Nos últimos meses em Euskal Herria levarom-se adiante diferentes iniciativas para pôr enriba da mesa a questom dos e das presas políticas bascas. O trabalho solidário nesse país nom é algo novo, mas intensificou-se no último ano com actos, palestras, e actividades diversas, entre as que destacam a manifestaçom do passado 10 de dezembro em París, onde milhares de pessoas sairom à rua para exigir o respeito dos seus direitos fundamentais e o translado dos e das presas a Euskal Herria.

Este próximo sábado, coma todos os janeiros desde há vários anos, celebra-se umha massiva manifestaçom em Bilbo para exigir que se ponha fim à política de dispersom. Numha entrevista em Info Zazpi Irratia o porta-voz de Sare Joseba Azkarraga sulinhou a necesidade de que os avances no Estado Francés e os amplos acordos em Euskal Herria se transladem também a Madrid.

@s “nen@s da mochila” chamam a participar da manifestaçom

@s nen@s da mochila som as 113 filh@s d@s pres@s polític@s basc@s, que se vêm na obriga de percorrer centos de kilómetros todos os meses para poder passar duas horas coa sua mai, o seu pai, e nalgumhas situaçons com ambos “só vivemos co nosso aita ou ama, outros cos avós, e algúns com os tios. Nom som os nossos pais os que nos educam, porque nom estam presentes no nosso dia a a dia, porque nom estam nos pequenos detalhes, nem nos mais importantes”.

No total, ao ano, estas nenas e nenos só estam cos seus familiares mais achegados 24 horas, ou o que é o mesmo: um día; e por se fosse pouco som obrigados a a viajar jogando-se a vida nas estradas.

“Logo acreditades que é possível falarmos de umha paz verdadeira em Euskal Herria cos nossos pais na cadeia?”, perguntavam na rolda de imprensa que derom para chamar à mobilizaçom do próximo 13 de Janeiro.